Na data mais disputada pelo comércio, eletrônicos lideram

Todos querem estar conectados. É o que vemos nas últimas pesquisas de intenção de compras em datas comemorativas. No Natal não vai ser diferente. A última pesquisa do MercadoLivre, feita pela Oh!Panel em outubro e novembro de 2013, apontou os smartphones e tablets no topo da lista dos mais desejados. O tablet lidera entre os produtos que os consumidores mais gostariam de receber de presente, com 20% das respostas, seguido por smartphones, com 17%; notebooks (9%), ultrabooks e roupas, ambos com 8%.

O varejo online espera ter um crescimento de 25% neste Natal e deve faturar R$ 3,85 bilhões de acordo com o E-bit. A cifra é relevante para o comércio eletrônico, já que temos menos de 50 milhões de compradores online no Brasil. Se levarmos em conta que nossa população já passa de 200 milhões, temos um quarto de consumidores que transacionam pela internet. Falta conquistar os outros 150 milhões em potencial.

A economia global dá sinais de recuperação e os consumidores em todos os cantos pretendem gastar nas compras online neste Natal. Dados da Inglaterra, por exemplo, mostram expectativa de vendas em torno de 5 bilhões de libras, de acordo com pesquisa da Deloitte.

O consumidor brasileiro ainda está em fase de amadurecimento no comércio eletrônico. Mas, aos poucos, notamos uma mudança nos seus hábitos. Agora, ele compra com antecedência, evitando assim a correria de última hora, principalmente no Natal, quando vimos lojas lotadas e altas chances de stress. Dos que responderam à pesquisa, 24% pretendiam realizar suas compras duas semanas antes do Natal; 17,5%, uma semana antes do Natal; e 11%, na própria semana do dia 25.

Na hora de pagar, o meio de pagamento preferido para o comprador online é o cartão de crédito (57%), revelou a pesquisa. Aqui vale a pena ressaltar que os meios de pagamentos online também são uma boa opção, já que o usuário pode gravar seus dados bancários e depois só confirmar a senha sem ter que digitar mais de 100 caracteres em todas as operações.  A pesquisa mostrou ainda que a maioria pretende comprar os presentes à vista (50,5%). Os gastos vão até R$ 1.000 para 22% dos entrevistados; até R$ 500 para 19,5% ou somente até R$ 250 para 16%; e uma parcela dos entrevistados (14%) pretende gastar mais de R$ 2 mil para os presentes.

Se considerarmos que os respondentes são também os compradores, a faixa etária predominante foram os usuários de 25 a 34 anos (37,5%), seguidos dos internautas de 35 a 45 anos com 25,5% e de 18 a 24 anos com 22% das respostas.

No comércio eletrônico, comodidade, variedade e comparações de preço são os trunfos. Vale sempre lembrar, no entanto, que tanto vendedores quanto compradores são sempre avaliados pelos usuários – e essa reputação construída democraticamente é a que assegura a melhor experiência para se comprar online.

Deixe uma resposta