Consumidor não compra nada antes de consultar a internet, revela pesquisa

Praticamente todos os internautas (que compõem metade da população brasileira, 106 milhões de pessoas) usam a internet em alguma etapa do seu processo de compra (pré-compra, compra e pós-compra), revela o estudo “Varejo no Brasil: a influência do digital sobre o consumo. Realizado pela Boston Consulting Group (BCG), a pesquisa ouviu 2.500 entrevistados sobre suas atividades online. O impacto desse comportamento já é considerável e deve se intensificar nos próximos anos.

Pré-Compra e Pós-Compra

Até o momento, o impacto da internet é maior na fase de pré-compra. Descobrir, pesquisar e localizar marcas, produtos, serviços e lojas online já representa  de 60% a 70% das pesquisas em sites, redes sociais e buscadores como o Google. Os canais online, como o Facebook e WhatsApp, também são amplamente utilizados pelo consumidore brasileiro para expressar as opiniões de pós-compra, tanto as positivas quanto as negativas (70%).

A influência digital varia de acordo com o perfil do consumidor. A pesquisa apontou cinco segmentos distintos com base na demografia, profissão e renda, grau de adesão digital e hábitos de compra online. Cada segmento possui características distintas e exibe padrões particulares de uso, preferências e desenvolvimento do usuário online.

Entre os diferentes perfis de compra, dois se destacaram pela alta intensidade com que usam a internet para pesquisar e comprar: o dos casais antenados e os nascidos na internet. Juntos, os dois grupos perfazem 50 milhões de pessoas, (25% da população) e valorizam a variedade, conveniência, e interação.

Os consumidores também usam as ferramentas digitais de maneiras diferentes, dependendo da categoria de produto envolvida. Situações em que o preço e a escolha são importantes (caso de celulares, eletroeletrônicos e computadores), as vendas por e-commerce são pequenas (13%), mas pesquisas, comparações e busca de referências nos meios online chegam a 90% dos consumidores.

Combinação de canais

Em outra ponta da escala estão os produtos que são comprados repetidamente, como saúde e beleza. O preço é um fator menos crítico e o engajamento com a marca é alto, assim como a frequência de reabastecimento. Hoje menos de 2% desses produtos são vendidos online, mas as decisões de compra são baseadas em uma combinação de canais online e offline antes de se chegar à decisão.

O uso da internet ainda é predominante entre a população urbana de renda e escolaridade mais alta, mas essas características estão mudando e espera-se uma aceleração do digital no interior do país nos próximos anos. A estimativa é de que até o final da década 65% do território nacional já tenha acesso à internet (atualmente a proporção é de 40%), sendo que as cidades menores deverão ser as grandes impulsionadoras dessa expansão.

Dicas básicas, fáceis para fidelizar clientes.

Dicas básicas, fáceis para fidelizar clientes.

1. Escreva coisas à mão

Apesar de vivermos na era da tecnologia, uma nota ou cartão escrito à mão (sim, realmente escrito à mão) ainda são maneiras bonitas e significativas de expressar sua gratidão. Esta estratégia provavelmente não vai levar mais do que cinco minutos e o custo de um selo, mas a chance de causar uma impressão positiva e duradoura aos seus clientes, vale a pena o tempo e esforço.

Se você não está acostumado a escrever estes tipos de notas, tente algo como…
“Só queria dizer OBRIGADO por ser um cliente tão maravilhoso. É uma bênção que alguém tão leal e agradável tenha optado por fazer negócios com a minha empresa. Você é o melhor!”

2. Seja Generoso!

Como dono do próprio negócio, você deve pensar sobre os caminhos que podem alavancar bondade e generosidade como vantagem. Que tal entregar pessoalmente um pedido por mês…com um grande sorriso no rosto? Inclua um cartão-presente com pedidos aleatórios. Envie flores de aniversário para um cliente por trimestre. Uma ação por mês pode gerar um feedback muito positivo, ainda mais hoje com as redes sociais estando tão presente. É muito fácil um caso positivo virar um viral a favor de sua empresa.

Seja criativo e atencioso e observe quão rapidamente os clientes casuais se tornam seguidores fieis.

Como exemplo, a Loja Mestre oferece lojas gratuitas para entidades sociais sem fins lucrativos.

3. Diga “olá” para os bons compradores 

Fidelizar clientes é o coração de todo negócio bem sucedido, então, faça o que for preciso para que eles voltem. Uma ideia bacana é oferecer aleatoriamente descontos ou frete grátis na próxima compra. Informe a eles o motivo pelo qual você está fazendo isso:

“Caro INSIRA O NOME
Ao longo dos anos, você tem escolhido continuamente a minha empresa como parceira de negócios e eu estou verdadeiramente grato por ter alguém como você ao meu lado. Por isso, eu gostaria de oferecer frete grátis na sua próxima compra. Por favor, use o código BESTCUSTOMER para desfrutar da cortesia.

OBRIGADO mais uma vez pelo apoio.
SEU NOME”

Na plataforma Loja Mestre, você tem um relatório com os melhores compradores. Utilize-o.

4. Seja Social

Como empreendedor, você tende a fazer negócios com outras lojas o tempo tempo. Você almoça no restaurante local, conserta o carro numa oficina do bairro, compra flores na floricultura da região, compra mantimentos numa mercearia próxima. Etc, etc.

Se você admira seus negócios, conte às pessoas sua experiência através das redes sociais. Se as outras empresas têm uma fan page, deixe um comentário bacana lá na página deles. Tweet sobre seus negócios e inclua um link em suas contas no Twitter. Poste uma foto no Instagram com o link para a conta do Instagram deles. Inclua um depoimento na página do Linkedin deles.

Ao mesmo tempo que o objetivo principal é fortalecer seus negócios, você está, na verdade construindo sua própria reputação ao mesmo tempo que simplesmente diz algo agradável. Lembre-se, qualquer pessoa que leia seu post sobre seus negócios também está lendo sobre o seu negócio. Este é um cenário win-win (todos ganham)!

5. Ouça com atenção

Mesmo que você seja dono de seu negócio, dê atenção a seus clientes. Converse com eles, tente obter um feedback. Feedback é muitas vezes de graça. Então ouça com atenção e tente melhorar os pontos que sejam negativos.  Obviamente você deve filtrar os feedbacks, nem todos são úteis, mas muitas vezes você consegue absorver muitas ideias.

 

STF suspende nova regra do ICMS sobre vendas do comércio eletrônico

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu liminarmente convênio firmado pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) que regulamentou os procedimentos para cobrança de ICMS nas vendas pelo comércio eletrônico para outros estados. A liminar foi concedida a pedido da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

O convênio fixou que cabe ao contribuinte recolher as alíquotas do ICMS nos dois estados, de destino e de origem. Desde a entrada em vigor, no início do ano, as micro e pequenas empresas reclamam que essa exigência criou uma burocracia insustentável para essas companhias, que têm que imprimir guias e fazer pagamentos em dobro a cada venda.

“Os negócios estavam praticamente paralisados o foi isso que levou à adoção da medida em caráter de urgência pelo STF”, disse o presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, que era contrário ao convênio.

Na decisão, Toffoli afirma que o convênio do Confaz se sobrepõe a lei complementar e apresenta riscos para os contribuintes, principalmente os do Simples Nacional. “A cláusula 9ª do convênio (…) acabou por invadir campo próprio de lei complementar, incorrendo em patente vício de inconstitucionalidade”, afirmou o ministro. A medida foi suspensa cautelarmente, até o julgamento final do processo.

Na ação, a OAB alega que o convênio não observou princípio constitucional que prevê tratamento diferenciado às micro e pequenas empresas e que o Confaz regulamentou matéria a qual não tinha competência, o que é inconstitucional. “Não houve o atendimento das disposições constitucionais que estabelecem às microempresas e às empresas pequenas o direito à cobrança tributária unificada”, afirmou a entidade.

 

Fonte: gazetadopovo.com.br