Google lança dois novos recursos para as Campanhas do Shopping

O Google anunciou o lançamento de duas funcionalidades para as Campanhas do Shopping, visando melhorar o gerenciamento e a otimização de lances.

A primeira delas trata-se do “uploads em massa”, no qual o lojista pode baixar todos os relatórios de grupos de produtos, editar lances e URLs de destino e importar todas as alterações de uma vez só. Já o segundo recurso, intitulado “AdWords Editor”, possibilita editar lances e URLs de destino de produtos em escala.

Para orientar os empreendedores a utilizar melhor esses, e outros recursos, o Google mantém alguns conteúdos, como vídeos para criação de campanhas e migração de uma campanha para a outra (ambos em inglês); treinamentos para adwords; e centrais de ajuda.

A empresa também aconselha todos os usuários a migrarem para as Campanhas do Shopping do Google o quanto antes, já que as campanhas normais de anúncios da lista de produtos serão encerradas ao fim de agosto deste ano.

Google Analytics lança funcionalidade específica para o varejo on-line

Os varejistas da internet acabam de ganhar um poderoso aliado no Google Analytics. Trata-se do “Enhanced Ecommerce”, uma ferramenta que traz métricas relacionadas a comportamentos dos consumidores e conversão das compras online.

Conforme explana Caleb Whitmore, CEO do Analytics Pros, o novo recurso permite que os lojistas descubram informações como: quais produtos são visualizados, onde são visualizados e quando são adicionados aos carrinhos pelos clientes: “O ‘Enhanced Ecommerce’ também possibilita enxergar como funciona o processo de checkout, onde os clientes se perdem nesse quesito e mesmo detalhes dos métodos de pagamento utilizados”, completa.

Elaborado com base no Universal Analytics, (recurso que altera o processo de coletagem dos dados da conta do Google Analytics, proporcionando um melhor entendimento de como os consumidores interagem em diferentes dispositivos e pontos de contato), o Enhanced Ecommerce está disponível gratuitamente, para todos os usuários da plataforma.

Para ilustrar como as novas métricas podem auxiliar uma loja virtual, o Google disponibilizou em seu blog um gráfico, com métricas de comportamentos de consumidores. Na imagem abaixo, por exemplo, é possível visualizar produtos que foram abandonados pelos compradores de uma loja virtual e em quais dispositivos.

google-analytcs

O Google anunciou ainda que, em breve, terá um curso, na Google’s Analytics Academy, para orientar os lojistas a obterem melhores resultados com o Enhanced Ecommerce.

Mais da metade dos brasileiros admitem comprar por impulso

Os produtos mais comprados por impulso nos últimos três meses foram roupas (29%), calçados (19%), eletrônicos e celulares (18%) e perfumes/cosméticos (12%)

A maioria dos brasileiros (52% do total de entrevistados) fez alguma compra por impulso nos três últimos meses. É o que revela pesquisa feita em todo o país por meio do portal de educação financeira Meu Bolso Feliz, divulgada nesta terça-feira (13) pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). Foram ouvidas 694 pessoas sobre a relação dos consumidores brasileiros com o uso do crédito e as compras por impulso.
Os produtos mais comprados por impulso nos últimos três meses foram roupas (29%), calçados (19%), eletrônicos e celulares (18%) e perfumes/cosméticos (12%). Por impulso, as mulheres compraram mais roupas (33%) e calçados (19%), enquanto os homens compraram mais eletrônicos e celulares (26%) e roupas (24%). A principal justificativa dada pelos consumidores foram os descontos e as promoções.

O local onde as pessoas mais compram por impulso é o shopping center: 35% do total de entrevistados disseram que as compras supérfluas foram feitas em shoppings, seguido por 23% que informaram fazer isso por meio das lojas virtuais.

“Às vezes parece imperceptível, mas fatores psicológicos, subjetivos e emocionais exercem muita influência nas decisões financeiras. Por uma questão de status, algumas pessoas compram desmesuradamente apenas para impressionar a família, os amigos e até mesmo o vendedor da loja, para alimentar a autoestima. Sem planejamento, essas pessoas adquirem produtos supérfluos e acabam se endividando excessivamente”, disse José Vignoli, educador financeiro do portal Meu Bolso Feliz.

A pesquisa também apontou que 45% dos entrevistados não enfrentariam grandes problemas ao pagar tudo à vista. No entanto, um quarto dos consumidores admitiu que não conseguiria comprar sem parcelar. O crédito é visto como algo positivo para a maior parte dos consumidores ouvidos pela pesquisa. Para 52% dos brasileiros, o crédito é sinônimo de algo positivo porque ajuda a realizar sonhos. Para 30%, é bom porque ajuda em momentos de emergência e para 7% é algo ruim porque incentiva o descontrole.
Um em cada três consumidores ouvidos pela pesquisa demonstrou falta de planejamento com suas compras: 35% deles admitiram não ter o hábito de olhar o extrato bancário antes de fazer uma compra parcelada e 12% chegam a incorporar o limite do cheque especial e do cartão de crédito ao orçamento disponível para ser gasto no mês.

“O cheque especial só deve ser usado em casos emergenciais, não como fonte de renda para gastos mensais. Já o cartão de crédito transmite à pessoa a falsa sensação de não estar gastando. Esse é um dos grandes perigos para quem não está maduro o suficiente para lidar com o crédito de maneira correta. É fundamental sempre checar na fatura o valor total das compras antigas antes de se fazer uma nova dívida no cartão”, disse Vignoli.

Por: DCI